quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Black or White?


"I'm not gonna spend my life being a color" - foi com essa frase, na canção Black or White, que Michael Jackson respondeu às críticas que recebia naquele momento por ter simplesmente mudado de cor e fez uma severa crítica ao racismo. Michael é vítima do vitiligo, uma doença que despigmenta a pele, e reza a lenda que é essa a razão de o cantor ter se transformado num homem branco.

Essa música e esse videoclipe têm uma importância muito grande para mim. Lembro-me perfeitamente de quando o clipe passou pela primeira vez no Brasil, no Fantástico. Escolho, por isso, esse videoclipe para finalizar a série de posts comemorativos em homenagem ao cinqüentenário do cantor.

A música tem uma batida contagiante, uma letra não lá muito profunda (mas dotada de grande significado nas entrelinhas, deu pra entender?), e fala sobre racismo. O videoclipe trata das minhas temáticas preferidas: a cultura pop e as diferentes culturas ao redor do mundo, com direito a danças e trajes típicos, tudo interagindo numa única realidade global.

Talvez de forma exagerada, eu até arriscaria dizer que esse videoclipe formou meu caráter. Parte das influências que recebi na infância e fizeram de mim o que sou vieram exatamente desse vídeo. Tenho vontade de fazer produções mirabolantes inspiradas nele.

Black or White foi o primeiro single extraído do álbum Dangerous, lançado em outubro de 1991. Eu tinha então 7 anos de idade. Assim como quase todos os videoclipes da carreira de Michael, esse foi surpreendentemente revolucionário: foi o primeiro videoclipe da história a utilizar o recurso de morphing, em que uma figura se transforma na outra. O orçamento total ficou estimado em algo em torno dos 4 milhões de dólares.

Curiosidade: o riff da introdução é de autoria do grande guitarrista Slash, da banda Velvet Revolver e ex-Guns n' Roses.

O clipe conta com a participação de Macaulay Culkin, um ator infantil e um ícone do início da década, e de Tyra Banks, que posteriormente se tornaria uma supermodel de fama internacional e que hoje em dia apresenta o programa America's Next Top Model.

O final, vetado em alguns lugares e bastante criticado, mostra uma pantera negra transformando-se no cantor, uma referência ao movimento dos Black Panthers. Além dessas, o clipe também traz várias outras referências e mensagens ocultas, como disse Piero em seu blog.

No mais, peço perdão pela demora em atualizar o blog e concluir a homenagem a Michael Jackson. Meu primo chegou de Portugal há 1 semana, tenho andado muito ocupada. Bem, deixo agora a versão integral do vídeo. Espero que gostem tanto quanto eu.

3 comentários:

Cessel disse...

Lembro perfeitamente de quando esse clipe estreiou no Fantástico. Fiquei impressionado, é bom demais!

Minha parte preferida é a que ele dança encima do carro, simplesmente insuperável.

Nunca percebi as mensagens ocultas no vídeo, vou rever e ler o blog que você indicou.

Fábio Rossi disse...

Eu também me lembro quando passou esse clipe no Fantástico. Aliás, sempre que o rei lançava algo novo o Fantástico mostrava, pois realmente os clipes dele são fantásticos!
Gosto tanto que tenho um DVD com alguns clipes, e outro VCD q eu fiz pegando coisas dele na net...
Ele é foda!

Felipe Cruz disse...

Por falar em Slash, estou lendo a biografia dele. Bem bacana.

Beijos.